quarta-feira, 16 de Setembro de 2009

As estrelas-do-mar

As estrelas-do-mar constituem um grupo particular de animais marinhos, que compreende cerca de 1500 espécies presentes em quase todas as latitudes. Associadas a diversas lendas, contava-se que cada estrela cadente dava origem a uma estrela-do-mar.
As estrelas-do-mar são seres de fantasia: parecem habitantes do céu que vieram dar cor e alegria aos nossos mares e o nome científico que as agrupa numa classe – Asteroidea, reflecte essa condição do nosso imaginário. E o imaginário humano vai longe: em certos países existe a lenda de que a estrela que os Reis Magos seguiram até ao local onde estava o Menino Jesus, caiu no mar e deu origem a todas as estrelas-do-mar que existem, e entre alguns povos mais antigos, acreditava-se que cada estrela cadente estava na origem de uma estrela-do-mar.

As estrelas-do-mar abundam em quase todas as latitudes e profundidades, podendo ser encontrados até a 9.100m de profundidade. Ocupam uma grande variedade de substratos, como rochas, algas, cascalho, sedimento arenoso ou recifes de coral.
O corpo de uma estrela-do-mar consiste num disco central de onde radiam, geralmente, cinco (ou múltiplos de cinco) braços afilados, que podem ser várias vezes o diâmetro do disco ou pouco se diferenciar do disco quando se trata de espécies pentagonais; muito poucas estrelas são quase esféricas.O corpo é todo revestido por uma epiderme ciliada, surgindo por baixo a derme que produz e contém o endosqueleto, uma estrutura de muitos pequenos ossículos calcários, de formas definidas mas variadas, e distribuídas de forma regular.


A reprodução das estrelas-do-mar é sexuada com libertação dos gâmetas na água e posterior fertilização externa. O ovo fecundado geralmente desenvolve-se numa larva livre-natante de simetria bilateral que sofrerá no decurso do seu desenvolvimento a metamorfose mais complicada para se transformar num adulto de simetria radial.

As estrelas-do-mar são conhecidas quer pelo seu apetite quer pelas suas estratégias de alimentação. As espécies carnívoras predam sobre esponjas, bivalves, caranguejos, corais, poliquetas e outros equinodermes. Algumas são necrófagas, alimentando-se de peixes e invertebrados mortos, outras ainda são detríticas alimentando-se da matéria orgânica e organismos microscópicos presentes no sedimento, ou ainda suspensívoras alimentando-se de partículas em suspensão.
A importância ecológica das estrelas-do-mar, nomeadamente das espécies mais abundantes, é bastante considerável devido ao seu papel de “predador do topo da cadeia alimentar”: podem alterar a composição das espécies de uma zona intertidal ou de qualquer nicho ecológico, podem provocar sérios danos em recifes de coral.

Em inúmeros países existem muitas espécies de estrelas-do-mar ameaçadas de extinção devido à sobre-exploração dos stocks, principalmente devido à apanha para o mercado de adornos ou para o mercado da aquariofilia.

Nota:

As estrelas-do-mar comercializadas como adornos e enfeites são importadas, oriundas normalmente de países tropicais ou de países africanos. Apenas algumas espécies, dadas as suas características morfológicas, são consideradas aptas para este efeito; até chegarem ao comércio sofrem vários processamentos químicos para serem inodoras, para manterem a sua consistência e se possível a sua cor, mas na sua grande maioria são tingidas, algumas vezes com cores que não ocorrem na Natureza.

As estrelas-do-mar mais comuns nas nossas praias, pelas suas características, não são adequadas para servirem de enfeites, muitas vezes a alegria de encontrar uma estrela-do-mar e de a levar para casa transforma-se em desilusão, porque estas estrelas-do-mar ao fim de algum tempo fora de água, e sobretudo se forem expostas ao sol, têm tendência a tornarem-se gelatinosas, quase como que a liquefazer-se, perdendo as cores que atraíram os olhares; quando isto não acontece é o cheiro provocado pela decomposição das partes moles que faz o arrependimento

“Cada estrela do céu, silenciosa e calma,
Com a sua luz imprime e forma, estampa e cria
Uma estrela-do-mar, dando-lhe vida e alma.”
António Nobre


5 comentários:

  1. Nem imaginava que existiam estrelas do mar carnivoras ou necrófilas !!! é sempre bom ficar a saber mais sobre este bichinhos... e como estão no mar, estão perto dos peixinhos !

    ResponderEliminar
  2. alguem me ajuda eu quero uma estrela do mar viva para um trabalho super importante eu moro em Belèm do Parà precizo disso para dia 13 de manhâ ajuda galera

    ResponderEliminar
  3. alguem me ajuda eu quero um trabalho de ciências para amanha dia 30 de maio de 2010
    eu moro em palmital estado de sao paulo preciso de ajuda

    ResponderEliminar
  4. eu encontrei uma estrela do mar viva. tirei da agua salgada e pus na agua doce. acho ke a matei. ou nao?

    ResponderEliminar
  5. Tal como fala no texto, em inúmeros países existem muitas espécies de estrelas-do-mar ameaçadas de extinção devido à sobre-exploração dos stocks, não sei se foi o caso da espécie que você tirou da água salgada(principalmente devido à apanha para o mercado de adornos ou para o mercado da aquariofilia). Provavelmente pode tê-la morto...
    Encorajo cada um a não retirar da natureza aquilo que apenas a ela pertença

    ResponderEliminar